Cortes de cabelo para moradores de rua: a nova ameaça ao interesse público

Por Brittany Hunter / Publicado na Foundation for Economic Education

É particularmemente imoral a atitude do governo de punir alguém que faz caridade na sua comunidade. Infelizmente, isso é cada vez mais comum. E um morador da cidade de Tucson sentiu isso na própria pele.

Mais surreal que um thriller de terror

Quando se espalhou a notícia de que um estudante de [um curso técnico de] cosmética estava sendo investigado por cortar de graça o cabelo de moradores de rua, as pessoas imaginaram que a história continha algo bizarro. Com certeza ele deveria ter feito algo horrível para justificar uma investigação oficial do Estado.

Mas ao invés dessa história apresentar um protagonista ao estilo Sweeney Todd [personagem de um thriller de terror], acabou revelando que o estudante Juan Carlos Montesdeoca era apenas uma pessoa generosa ajudando os mais necessitados do seu bairro. Seu “crime” foi não ter a licença do governo para cortar cabelo [no EUA a prestação de serviço de cosmética – incluindo os cabeleireiros – é fortemente regulada].

Um ato de bondade

Montesdeoca estava com tempo livre depois que a escola de cosmética onde estudava fechou repentinamente há alguns meses. Pra não perder o ritmo que tinha na escola, ele decidiu continuar adquirindo prática ao mesmo que também ajudava as pessoas.

Para os moradores de rua que receberam a generosidade de Montesdeoca, este foi o único corte de cabelo em meses. Uma desabrigada comentou que estava há sete meses sem cuidar do cabelo.

Todos os domingos, Montesdeoca se encontrava com essas pessoas e se oferecia para lavar e cortar o cabelo delas. Isso foi muito importante para elas, uma vez que até mesmo uma mera lavagem de cabelo foi suficiente para ajudar a restaurar uma parte da dignidade que essas pessoas perderam vivendo na rua.

Desprezadas pelos pedestres nas ruas no dia-a-dia, a maioria dessas pessoas se sente à margem da sociedade. Essa experiência foi boa tanto para a auto-estima como para o cabelo delas. Montesdeoca sabe disso muito bem, pois também já morou na rua em outros tempos.

Mande os truculentos

Ao invés de aplaudir a atitude de Montesdeoca, que já estava numa situação difícil desde o fechamento da escola, o Estado resolveu puni-lo. Pelo visto, manter a reserva no mercado de cosmética é mais importante do que estimular a caridade, ao menos para o governo local.

Quando a Arizona Cosmetology Board [órgão público responsável por emitir as licenças – uma espécie de conselho de classe]  descobriu que Montesdeoca estava cortando cabelo sem licença, imediatamente colocou um fim na sua conduta “criminosa”.

Infelizmente, a cosmética é apenas um dos muitos mercados fortemente protegidos pelo governo através do licenciamento profissional.

A concorrência de verdade aterroriza os cartéis estabelecidos que dominam os mercados e se recusam a inovar. O empenho constante dos taxistas por regulamentos mais rigorosos os concorrentes de compartilhamento de viagens é um exemplo perfeito disso.

Sem interesse de competir num livre mercado, esses cartéis fazem lobby junto aos políticos locais para aprovar leis que restrinjam a concorrência nos mercados em que atuam. Em outras palavras: troca de favores na sua melhor demonstração.

Licenças profissionais prejudicam os trabalhadores. No final das contas são eles que pagam o preço mais alto por este arranjo.

Uma bofetada na cara, não um tapa na mão

Como Montesdeoca não havia completado o curso técnico em cosmética, ele não tinha licença para trabalhar na atividade. Mesmo não tendo recebido nada por cortar o cabelo dos moradores de rua, isso foi considerado uma violação das leis estaduais.

[Alguns links de notícias sobre esta história: goo.gl/RbkbAzgoo.gl/Je2B5Jgoo.gl/LmKACi ]

O conselho [Arizona Cosmetology Board] abriu uma investigação sobre o comportamento “criminal” de Montesdeoca e também resolveu suspender previamente sua licença – que ele ainda nem tem. Quando ele finalmente completar a sua formação, não importa quando, sua licença já estará suspensa.

A principal preocupação do conselho neste caso é a saúde e segurança dos moradores de rua. Sem uma licença, o conselho acredita que Montesdeoca talvez não tenha seguido as práticas de higiene com seus “clientes”.

No entanto, essa afirmação parece duvidosa, já que ninguém naquele conselho parecia muito preocupado com as condições tão insalubres de se viver pelas ruas. Em vez disso, focaram a atenção em Montesdeoca, pondo fim na sua generosa atividade, tudo em favor dos lobistas.

Depois de ficar sabendo da insensível decisão imposta a Montesdeoca pelo conselho, o governador do Arizona Doug Ducey enviou um forte ofício dizendo:

“Muito infeliz” é pouco. Eu achei ultrajante e peço a vocês para encerrar esta investigação, poupar o Sr. Montesdeoca do inconveniente de ter que viajar para Phoenix para comparecer à sede do conselho, bem como renunciar a quaisquer taxas ou multas que o Arizona Cosmetology Board está exigindo  dele.

Chocado que o conselho arruinasse a carreira de Montesdeoca antes mesmo de começar, o governador Ducey ficou indignado do conselho não ter tido qualquer iniciativa de parabenizar o jovem pela sua atitude caridosa.

O governador Ducey terminou o ofício ao conselho lembrando-lhes que seu dever é servir o povo do Arizona e não ao lobby do mercado de cosmética.

Nosso trabalho como servidores públicos é apoiar os arizonenses em seus esforços para melhorar suas próprias vidas – e certamente em seus esforços para melhorar a vida dos outros.

Anúncios

Escreva um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s